João Donato – The New Sound Of Brazil (1965)

Mais um capitulo da história: “ Por Que o Brasil Não Deu Certo Antes?”

João é monstro!

Se João tivesse nascido nos EUA seria estudado em livros sobre a historia do Jazz, mas como ele nasceu por aqui, no máximo que ele recebe de nós macaquitos é showzinho no Sesc e uns rodapés migalhentos que jogamos a ele. Isso até que nos esqueçamos completamente quem ele é e foi.

Com os ventos favoráveis a nossa música no inicio dos anos 60 e com uma geração de artistas que nunca mais vai nascer por aqui ou em qualquer lugar do mundo, João também foi fazer grana e disco na Terra Prometida.

Já alocado em Nova York, ao invés de gravar em estúdio, o músico vidrou na casa de espetáculo Webster Hall (casa que ainda existe e abriga os melhores shows alternativos da Big Apple) e quis gravar lá. Desejo realizado!

Orquestrado pelo músico e maestro alemão Claus Ogerman (apaixonado por jazz e depois pela bossa nova), The New Sound of Brazil foi o primeiríssimo álbum de João nos EUA e ele se cercou de um time de feras digno de estariam no álbum de figurinhas de qualquer fã de jazz: Bill Goodwin (integrante do quarteto de Art Pepper) nas baquetas, Luiz Bonfá e Carlos Lyra nos violões, Richard Davis (bandas de Sarah Vaughan, Ben Webster e Gil Evans).

O disco é um clássico do brazilian jazz: bossa nova tocada com classe, elegância e finesse que só monstros como João Donato teriam a moral e capacidade de fazer.

Passado tanto tempo, o som do álbum é um deleite. Sem espaço para muitos solos ou improvisos, os músicos vão segurando as linhas das melodias que por si só são perfeitas o suficiente para que nenhum engraçadinho tenha muita coragem de mexer, são exemplos máximos da capacidade genial de balançar e harmonizar usando o jazz americano como base, mas construindo uma gama sofisticada, bonita e instigante de transições musicais que viraram os nossos “standards”. Se ficou batidasso, e você não aguenta bossa nova tanto como eu, não culpe esse disco.

Alternando composições próprias com temas de Tom Jobim, Luiz Bonfá e Dorival Caymmi, traz parcerias raras com João Gilberto e a inevitável, mas infalível e insuportável Little Boat (Menescal e Boscoli).

Um disco clássico essencial em qualquer discoteca de respeito.

Aproveita e faz assim, se tiver por NY e der um pulinho la no Webster Hall para ouvir essas bandas indie que não vão dar em nada, pensa que essa obra-prima foi construída lá e tudo vai ficar melhor.

Ou não.

Anúncios


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s