Fairport Convention – Fairport Convention (1968)

Que disco, que fase!

Mais um delicioso quitute do cancioneiro popular anglo-saxãozis…

O FP foi todo construído em cima de ideias, conceitos e sentimentos genuinamente artísticos com ambição, competência e uma escolha incomum de influencias.

Num caldeirão tré chiqué de referencias que começavam com Thomas Pynchon, Doc Watson, Bob Dylan, Barbirolli e terminavam em Henry Miller, Joni Mitchell e poesia simbolista francesa, o som do FP nasceu em berço promissor e tinha na sua formação um dos músicos mais criativos e incomuns nascidos na ilha.

Richard Thompson.

Por mais que o grupo sempre agisse como tal, afinal eram os anos 60 e eles se inspiraram livremente nos ideais libertários da década, Richard era diferente e sua guitarra se destacaria enormemente e prestaria por conseguinte um enorme favor ao folk e pop britânico, nos brindando com uma carreira errática e cheia de surpresas.

O FP é uma das mais adoradas bandas inglesas ever e diz muito sobre o que foram os últimos anos da década lá pela ilha.

Efevercencia de grupos, ideias e gêneros que pipocavam por todos os lados da “Britania”.

Heavy Metal, Fusion, Acid Rock, Hard Rock, Folk Rock, Psicodelia britânica, Progressivo e cada um na sua e todo mundo se frequentando.

Belissimo exemplar do folk engajado e inteligente que o Fairport repetiria nos 5 albuns seguintes.

Estréia sensacional e promissora, virou uma das bandas de cabeceira de John Peel, tá bom?

Por aqui, chegou tarde na discoteca lá de casa, mas antes tarde do que nunca.

Anúncios


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s