Brass Construction – III (1977)

A capa e a contra-capa desse álbum revelam o caráter de seus protagonistas.

Incansaveis trabalhadores do swingue e do funk, e sem esquecer da Disco, emergente, banida por roqueiros, mas adorada pelo povão e pela moçada que frequentava clubs e procuravam por garotas, garotos, drogas, diversão e basicamente tudo aquilo que se procura ainda hoje.

A diferença é o som.

Que preparo amigo!

Banda impecável, arranjos impecáveis e execução perfeita, o Brass Construction foi sem dúvida uma das melhores bandas deste período e deixou no seu legado um coctail de ritmos difícil de ser batido. Não foram tão hitmakers como Chic, Earth Wind & Fire ou Kool And The Gang, mas não deve nada a nenhuma delas.

Alias, existiram umas 129 bandas tão boas quanto as acima citadas.

O Brass é Brooklin, pesado e suave, venenoso e pra cima.

E se Nova York nos anos 70 era uma cidade barra pesada, menos segura do que hoje e menos insipida também, essa confusão refletiu diretamente na sua cena, tornando-a talvez o espaço mais democrático dos bons sons durante o final dos anos 70.

Graças ao clima combativo, criativo, laborioso e instável, gerou confusão e uma geração de bandas que fala baixo: De um lado os punks Television, Talking Heads, Modern Lovers, Suicide, Richard Hell, Blondie e Ramones, do outro os conglomerados funk: Brass Construction, B.T. Express, Voices of East Harlem, Chic, Odyssey, Newban, Natural Essence entre outras.

Deu invejinha!

Anúncios


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s