The Allman Brothers Band – The Allman Brothers Band (1969)

IMG_20150615_221055301

Se tem um tipo de som que tenho pouco por aqui em casa, é Southern rock (aquele tipo de grupos que surgiram no final dos anos 60 pros 70, com a cabeça cheia de entorpecentes, uns três guitarristas, sendo dois deles solistas, meio hippie, meio blues, meio rock e meio pesado). Ahh, eu citei a cabeça cheia de entorpecentes, certo?

Pois bem, não sou muito fã na verdade, acho americano demais, e por isso até entendo que lá isso tenha feito tanto sentido e tanto sucesso, mas ai a coisa da raiz e da nação pega e não consigo chegar com tanta intimidade na cumbuca do Southern.

Até por conta disso, esse é o único play dos Allman Brothers que eu tenho, mesmo sabendo que devem existir outros tão legais quanto esse, e no Allmusic.com os 3 discos seguintes são muito bem avaliados, mas os AB não são uma banda pela qual morro de amores.

Também não sou fã de blues-rock, acho que já escrevi sobre isso por aqui há uns 15 discos atrás, por isso que os grupos desse gênero não são frequentes nessa discoteca.

Esse primeiro registro do Allman no entanto não é 100% blues rock, traz no seu DNA uma espécie de ancestralidade musical do qual eles são apenas os mensageiros. Parece que seu som vem direto do terrão selvagem e rustico que fizeram a America ser o que ela é.

O som dos caras é tão orgânico que parece que fazer disco era só um acidente, e que o negocio deles era tocar ao vivo, e esse Play é bem isso, o disco tem cara de ter sido todo tocado numa sentada de tão colado e tão amarrado que é.

O que eu gosto desse disco é o tremendo molho que eles imprimiram ao gênero e se formos considerar que eles nao passam de uns branquelos querendo pagar de bluesman, eles mandaram muito bem.

As faixas de Greg Allman são bons exemplos de blues contemporâneo que viraria standards para as bandas do gênero dali pra diante, exemplos: Black Hearted Woman (minha favorita do álbum) e Every Hungry Woman (outra castanhada).

As covers, coisa mais do que comum nesse tipo de disco, também são ótimas: a releitura deles para Trouble No More, de Muddy Waters é muito da pesada, o que para uns branquelos tocando blues até que tava bom…

Rss.

O Labo B é mais viajante, mas tem aquele tcham gostoso de música feita pra balançar os quadris e a pélvis.

Aliás, acho que todo o disco dá pra balançar bem os quadris e as pélvis, quem sabe se isso voltar a tocar em pubs e bares eu volte a frequentar seus balcões hoje recheados de rock bundamole.

Anúncios


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s