Cinco motivos para adorar The Queen Is Dead… e 5 para odiar.

               Em comemorações aos 30 anos de lançamento do clássico (ou não) da banda inglesa, listo aqui num arrombo de esquizofrenia perfeitamente explicável, por que as pessoas que amam The Smiths tem razão e também por que as pessoas que odeiam também tem.

 

Para Adorar:

1. O álbum parece um Greatest Hits: Bigmouth Strikes Again, The Boy With The Thorne In His Side, There Is A Light That Never Goes Out, Some Girls Are Bigger Than Others dentro do mesmo disco, e detalhe, dentro do mesmo lado B;

 

2. O álbum tem uma das letras mais inteligentes do rock inglês que eu conheço: Cemetry Gates (literatura e poesia básicas para as massas);

3. Discurso politico regado a toques literários, exercícios de escrita quase inéditos no discurso do rock, afronta a monarquia mais feroz desde os Sex Pistols e tudo isso com suavidade;

4. A citação histórica da canção Take Me Back To Dear Old Blighty, na faixa de abertura The Queen Is Dead, canção de guerra do subconsciente britânico;

5. Se ainda falta alguma coisa pra te convencer, leia esse artigo de Jon Savage, um cara que manja de música umas 10.000 vezes mais do que eu, você e todos nós juntos.

https://www.theguardian.com/music/musicblog/2010/dec/15/smiths-queen-is-dead

 

E agora… 5 para odiar:

1. É um disco dos Smiths e pra quem tem bode deles, dos Engenheiros do Hawaii ou do Nickelback, já é motivo suficiente;

2. As composições podem ser incríveis, mas no ponto de vista técnico, o álbum é péssimo. Produção chinfrin prum álbum tão badalado. O disco tem quase nada de grave, o que não dá peso algum ao álbum e mesmo na sua reedição em 180 gramas, só mostrou como as produções da banda estavam abaixo de suas composições e arranjos.

3. A cozinha da banda sempre foi meia boca, mas nem aqui ela melhora. O baixo parece uma corda num pedaço de pau, lembra uma bela Tonante;

4. Tem Some Girls Are Bigger Than Others, letra horrorosa escrita em cima de um lindo arpejo criado por Marr. O guitarrista ficou furioso com o que a música virou

5. Os timbres de guitarras desse disco estão tão datados que a primeira que eu ouvi esse disco em 1987, ele parecia ter sido tocado no século XIX;

 

Anúncios


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s