Guilherme Arantes – Rolo Compressor

Aqui nao vai nenhum tratado sobre influencia, estética ou o que quer que seja.

É amor puro, amor que não se escolhe e não se perde. Amor por algo que lhe faz bem, independente de sua idade, época, estado mental e espiritual.

Adoro música pop em todas as suas nuances e essa dica de hoje pode não fazer sentido para 99,9% do mundo.

Mas pra mim fez e ainda faz.

Foi a minha porta de entrada para o mundo pop, que seria escancarada depois por Peter Gabriel, Beatles, Robert Plant, Lou Reed e Talking Heads.

Mas foi com Guilherme Arantes e exatamente essa música que tudo começou.

Ao mestre, obrigado!


Guilherme Arantes – Ligação (1983)

Esse foi o primeiro disco que pedi de aniversário.

Wow!

Tinha 12 anos, morava em São Bernardo do Campo, com pouco acesso a informação, só conhecia o que tocava no rádio, não conhecia ninguém que ouvia rock e a coisa mais próxima na época que eu conhecia de um roqueiro era um carinha retardado, afinal ele tinha problemas mentais, morava há uma quadra do meu Vô e era fã viciado em Kiss e metalerão que curtia todos os generos com guitarristas velozes. Mas nessa época o Kiss tava muito farofa e associei Heavy Metal como música de debilóide e não tive a menor vontade de conhecer.

Eu gostava de pop music. Descarada.

Por alguma razão eu ouvi Guilherme Arantes e me apaixonei, precisaria fazer uma regressão para entender o porque, mas foi assim.

Ligação é disco pop com piano e teclados e melodias bonitas, e ouvi muito até a rejeição vir com tudo e passar a sentir vergonha dessa primeira escolha da tenra infância.

Fui injusto com o nosso piano-man, Arantes é um compositor muito interessante e esse álbum não é o melhor dele, mas tem uma das minhas músicas favoritas da minha tenra infância: Rolo Compressor. Pop de arena, com letra inspiradora e edificante, essa música foi um dos primeiros mantras que tive e canta-la sozinho sempre me fez bem.

O som desse disco hoje é datadasso, mas é uma deliciosa mistura de Asia, Air Supply, Foreigner e outras farofices pop com guitarras

Lá pelo meio o cara teve a moral de fazer uma canção chamada “Campos de Morango”, não é versão, só uma homenagem ao Quarteto Fabuloso e graças a ela, cheguei na original e os Beatles entraram na minha vida para começar a me endireitar.

Nem sempre a primeira porta é a mais certa, mas foi com Ligação que comecei a curtir música e hoje agradeço.