Jack Bruce – Songs for a Tailor (1969)

Ta ai mais um daqueles músicos enigmáticos que surgem de tempos em tempos, segue zilhoes de caminhos, tocam de tudo e ajudaram a revolucionar o rock e o blues inglês.

O cara é fora da casinha.

Ainda tá vivo e ativo, seu som hoje é étereo e inclassificável, já não segue rótulos musicais há um tempão.

Coisas de gênio.

Songs for a Tailor foi o primeiro álbum solo de Jack com o fim do Cream e na minha opinião, o melhor, e mais bem resolvido deles.

Inspirado, Jack despejou algumas de suas melhores músicas que não couberam no Cream e contou com uma turminha do barulho para acompanha-lo (George Harrison, Jon Hiseman, Dick Heckstall e Felix Pappalardi), não conheçe? Procure saber então…

Fazendo o som que praticamente todos os grandes faziam na época, e grandes eu incluo Tim Hardin, Nick Drake, Traffic, Family, Wishbone Ash e por ai vai nessa viagem mais sofisticada, elaborada e rica que poucas vezes se ouviu na história.

Depois desse, as viagens de Bruce ficariam absurdamente herméticas, idiossincráticas e de difícil degustação, mas como ele é gênio e eu não, a culpa é mais minha que dele, afinal ele sabe de coisas que me esforço pra entender ou conhecer.