Fairport Convention – Fairport Convention (1968)

Que disco, que fase!

Mais um delicioso quitute do cancioneiro popular anglo-saxãozis…

O FP foi todo construído em cima de ideias, conceitos e sentimentos genuinamente artísticos com ambição, competência e uma escolha incomum de influencias.

Num caldeirão tré chiqué de referencias que começavam com Thomas Pynchon, Doc Watson, Bob Dylan, Barbirolli e terminavam em Henry Miller, Joni Mitchell e poesia simbolista francesa, o som do FP nasceu em berço promissor e tinha na sua formação um dos músicos mais criativos e incomuns nascidos na ilha.

Richard Thompson.

Por mais que o grupo sempre agisse como tal, afinal eram os anos 60 e eles se inspiraram livremente nos ideais libertários da década, Richard era diferente e sua guitarra se destacaria enormemente e prestaria por conseguinte um enorme favor ao folk e pop britânico, nos brindando com uma carreira errática e cheia de surpresas.

O FP é uma das mais adoradas bandas inglesas ever e diz muito sobre o que foram os últimos anos da década lá pela ilha.

Efevercencia de grupos, ideias e gêneros que pipocavam por todos os lados da “Britania”.

Heavy Metal, Fusion, Acid Rock, Hard Rock, Folk Rock, Psicodelia britânica, Progressivo e cada um na sua e todo mundo se frequentando.

Belissimo exemplar do folk engajado e inteligente que o Fairport repetiria nos 5 albuns seguintes.

Estréia sensacional e promissora, virou uma das bandas de cabeceira de John Peel, tá bom?

Por aqui, chegou tarde na discoteca lá de casa, mas antes tarde do que nunca.