Discos de 1998 que não Envelhecem.

Um grande amigo, Igor Oliveira, tem com outros chapas um programa no YouTube chamado Feio Forte & Formal Show em que 4 rapazes barbados já vividos comentam sobre diversos assuntos ligados a música, cinema, cultura pop e etc. O link está aqui:

https://www.youtube.com/channel/

Apesar do programa ser muito longo (quase duas horas), os rapazes esbanjam conhecimento e bom humor pra tratar desses assuntos.

Bem, nesse ultimo episódio exibido ontem, eles trataram de álbuns importantes lançados em 1998, e suas ligações afetivas com eles e a primeira coisa que salta aos olhos ou aos ouvidos é: que período fantástico para quem era fã de disco!

Algumas bandas estavam no seu auge criativo e lançaram álbuns espetaculares: Beastie Boys com Hello Nasty, Smashing Pumpkins com Adore, Jon Spencer Blues Explosion com Acme e Afghan Whigs com 1965, outras estreavam quebrando a banca, como o Air e seu Moon Safari e Lauryn Hill com seu multiplatinado The Miseducation of.., e outras mais veteranas lançavam bons discos como Rocket From The Crypt, Fugazi e Orbital. Todos esses ficaram de fora da listinha dos meus melhores de 1998… vai vendo.

Num mundo pós-Ok Computer, ficou difícil agradar a mídia especializada. Tudo tinha que ser muito elaborado, diferente e fora do comum. Apenas fazer boas canções já não bastava mais, assim muita coisa boa passou batida pelas “listas”, mas não saiu dos corações de seus fãs truzeras!

Lembro que foi um ano que acompanhei de ponta a ponta, consumindo muito os discos dessa época quase semana a semana. Sim, foi uma bom momento para ser Nerd musical, realmente os lançamentos valiam a pena.

Inspirado por esse programa dos amigos barbudos, resolvi listar meio sem ordem de preferencia, quais são os meus favoritos daquele grande ano:

Bob Dylan – Live 1966 At Royal Albert Hall: Mesmo não sendo um álbum feito em 1998, ele só viu a luz do dia em 1998. Causou comoção, principalmente por ser um documento importante de um período explosivo do senhor Zimmerman. O artista fazia a transição entre o folk e rock e desagradou muitos fãs puristas (no video acima dá pra ouvir o bate-papo de Dylan com um ex-fã). O momento do embate de Dylan com a plateia é absolutamente memorável e algumas das mais explosivas versões do repertório dylanesco estão nesse play.

 

Delgados – Peloton: A Escócia teve um período de ouro nesse ano com artistas importantes e uma bela “cena” dentro do mundo indie: Belle & Sebastian, Mogwai, Arab Strap, dentre outros. De uma ótima banda de guitar rock, o Delgados virou uma grande viagem psicodélica com nuances de rock, e excelentes composições. Uma das minhas favoritas desse período.

 

Mercury Rev – Deserter’s Song: Acabou virando o “sucessor” do Ok Computer no coração do jornalismo indie mundial. Banda americana muito foda, que começou barulhenta, violenta e intensa que passou pelo raio “progressivo-radiohead” e manteve uma intensidade junto a um lirismo e tons viajantes que caiu como uma luva no período. Ganhou como disco de ano em diversas publicações, hoje ficou meio datado, mas continua muito bom.

 

Massive Attack – Mezzannine: Talvez o melhor e mais completo resumo do ano. O Massive Attack em seu supra sumo. Saindo do seu “padrão” trip hop, o trio de Bristol incorporou no seu som, tons de gótico, o grave do Dub eletrônico, nuances de “perfect Pop”, orquestras bizarras setentistas e criou uma nuvem sonora imbatível. Ainda hoje, é um disco assustadoramente lindo.

 

Pulp – This is Hardcore: O disco flopou na época. A expectativa em torno de Jarvis Cocker e sua trupe era muito grande, Different Class, seu álbum anterior de 1995 foi um dos mais importantes registros sonoros da decada e supera-lo não seria uma tarefa fácil. This Is Hardcore é mais completo e até mais bonito que Different Class em grande parte do álbum. A linha do álbum é uma espécie de cabaré indie, tipo Morris Albert com David Bowie, canções dramáticas e algumas das letras mais inacreditáveis dessa década.

 

Hole – Celebrity Skin: O álbum foi muito bem de público e passou sem cicatrizes da feroz critica musical patrulheira da época. Hoje, Celebrity soa muito melhor que na época. Disco simples de rock com excelentes canções, muito bem estruturadas e feito para tocar para grandes plateias. Courtney definitivamente não vivia na sombra do ex-marido falecido, tinha personalidade e entregava uma interpretação esforçada e muito convincente, de quebra, tem algumas das canções mais sorridentes e deliciosas daquele ano como Heaven Tonight e Malibu.

 

Elliott Smith – XO: Mais um pra lista de artistas que “Deveriam ter sido muito maiores do que foram”. Brilhante compositor, excelente interprete de suas musicas, baita violinista. Tudo certo! Tinha feito dois álbuns incríveis e estreava por uma Major. Produção esmerada, canções suaves, bonitas e vários hits potenciais. Elliott fazia ombro com outros bardos do passado como Nick Drake e Tim Buckley, sem o niilismo do primeiro e sem o gogó do segundo, Elliott estava no meio do caminho. E por lá ficou. Na época o disco não foi tão bem recebido, mas ganhou reconhecimento tardio.

 

The Ghastly Ones – A-Haunting We Will Go-Go: Esse deve ter sido um disco que só eu e mais uma meia dúzia de malucos ouviram na época. Mistura de surf music com temas de filmes B de terror. Hoje o disco é uma raridade, com tendências a virar um “semi-cult” dentro em breve.

 

Pj Harvey – Is This Desire?: O disco é ótimo, continua sendo ainda hoje, mas na época não sei o que a tal “mídia” queria que ela fosse, pois o álbum passou despercebido por todos. Grande injustiça, esse play estabeleceu a PJ como a artista de rock mais “adulta” da década. O salto de maturidade musical foi enorme e abriu caminho para que ela produzisse duas obras-primas de sua carreira na sequencia: Stories From The City, Stories From The Sea (2000) e Uh Huh Her (2004).

 

Quasi – Featuring “Birds”: Bandinha de festinha. Dupla formada por dois músicos de Portland, dentre eles Janet Weiss, batera do Sleater-Kinney. Canções incríveis, very “indie rock” antes do gênero virar um bumba meu boi. Guitarras ardidas, fofura suficiente pra não estragar o som e agradar aos boys e as girls do rock.

 

 

Anúncios

Melhores de 2016 – The New hope

Quando eu revejo as listas que eu fiz de melhores discos do ano (e todo ano eu faço uma, como quase todos os meus amigos fazem), duas coisas saltam aos olhos:

  1. Sempre reclamo que a safra tá ruim, que tamo indo de mal a pior, mas que apesar dos pesares, algo levanta do lodo e faz o ano valer a pena.
  2. Quase não escuto mais os discos dessas listas que eu fiz, salvo uma meia dúzia e bem contada.

Assim, conclui com isso, que esse tipo de lista hoje não faz mais sentido, digo, no sentido como conhecemos esse tipo de listas (10 melhores, 20 melhores, etc), assim aproveito esse singular momento desse inesquecível (mais para o mal) 2016 para fazer uma lista diferente e aproveito para fazer meus votos para que os artistas do mundo todo se manquem e aproveitem a infinidade de idiotice, caretice e retrocesso galopando em nossas direções e realmente usem esses tempos bobos e sombrios como vitamina pra produzir coisas ótimas!

Ai vai a minha lista desconstruida e sem ordem fixa, mas com algo em comum (em 5 anos certamente estarei escutando esses discos ainda):

 

Melhor Revival/Ressurreição musical de 2016:

The Monkees – Good Times!

E não foi só de mortes que vivemos o 2016, O Monkees voltou com um disco ótimo (sua ultima ressurreição foi o fraco Justus em 1996). Pop/rock old fashion, meio 90’s, com produção competente de Adam Schlesinger (do Fountains Of Wayne), trouxe uma boa vibe e de quebra conta com duas pérolas do pop rock contemporâneo “She Makes Me Laugh”, melhor composição que o River Cuomos (Weezer) fez em décadas e “Birth Of An Accidental Hipster”, parceria de Paul Weller e Noel Gallagher.

 

Melhor Disco de Heróis Dos Anos 90 Que Ainda Tem Garrafa Vazia Pra Vender:

Underworld – Barbara, Barbara, We Face A Shining Future

Fazia tempo que eles não lançavam um disco tão bom quanto esse. Passado da 5a faixa e o disco continua excelente, pros dias de hoje isso é muito, believe me!. Essa surpresa pode ser, em parte, atribuída as andanças de Karl Hide (vocalista e letrista) com outros músicos (aproveito pra indicar também seu álbum em parceria com o Brian Eno). Ajudou a repaginar o Underworld dentro desse mundo dominado por DJs superstars pouquíssimo criativos. Tem um que de The Fall ou eu to muito louco?

 

Melhor Disco de Krautrock Fora Dos Anos 70:

Sunns – Hold / Still

Vi que não entrou em nenhum lista das modernidades e dos sites e blogs de musica descolados. Não entendi? O som dos caras é hipnótico, tive o prazer de vê-los ao vivo nas férias e o disco tem todos os bons elementos de um krautrock com strudel, mas os canadenses devem ter atrasado o boleto do jabá para os blogs e ficou de fora de todas as listas.

 

Disco Mais Importante de 2016:

David Bowie – Blackstar

Por razões óbvias, Blackstar já nasceu clássico. Confesso que só consegui ouvi-lo 1 vez, ainda não estou completamente pronto pra ele. Hoje como álbum, não consegui gostar de verdade, não como gostei do anterior The Next Day (esse figura entre os melhores de Bowie). Volto a falar de Blackstar daqui uns 10 anos. Em tempo, I still miss Bowie …

 

Melhor Disco do Melhor Artista Ainda Vivo:

Nick Cave & The Bad Seeds – Skeleton Tree

Já escrevi sobre ele há alguns meses atrás e não retiro uma virgula. Passou o ano e continua sendo tocante, importante e espero que a coragem e forca que os fizeram levar o disco ao mundo como o fizeram, os façam levar essa beleza aos palcos também. Esperamos todos ainda estar vivos para ver Mr. Cave e trupe destruindo tudo.

 

Segundo Melhor Disco Da Melhor Artista Mulher Ainda Viva:

PJ Harvey – The Hope Six Demolition Project

O disco é ótimo, inferior ao seu anterior Let England Shake, mas infinitamente superior a todas as demais artistas de saias que circulam pelo planeta.

 

Melhor Disco de Metal de 2016:

Kverletak – Nattesferd

Ótimo ano para ser metaleiro, daria pra listar aqui pelo menos mais uns 4 ou 5 discos ótimos de metal lançados em 2016 como os franceses Gojira, (álbum: Magma); os americanos Ustalost (álbum The Spoor Of Vipers), as japas cabulosas Babymetal (álbum Metal Resistance) e Megadeth (álbum: Dystopia), mas os noruegueses do Kverletak conseguiram fazer um quase hit unindo produção hard rock com vocais de doom metal. Vida longa ao metal!

 

E agora os CINCO melhores discos de Rock de 2016: Sim isso ainda existe e melhor, 3 bandas novíssimas!!!

The Dandy Warhols – Distortland

Esses também esqueceram de pagar os jabás pros blogs, disco moderníssimo e de altíssimo nível, muito melhor que quase todos os 20 albums de Rock que a Pitchfork teve a manha de publicar. A banda continua em plena forma, se reinventaram e seguem muito bem obrigado.

 

Dinosaur Jr. – Give a Glimpse Of What Yer Not

Depois que eles voltaram com a formação original, só tem lançado discos bons e esse Give a Glimpse supera o anterior Farm (que já é ótimo). Bela barulheira, J.Mascis continua solando como se não houvesse amanhã e as canções de Lou Barlow estão entre suas melhores contribuições para o grupo. De quebra são donos do show mais barulhento em atividade no mundo.

 

Savoy Motel – Savoy Motel

Meio Glitter, esse disco de estreia dessa turma de Nashville podia tocar tranquilamente em casas que tenham o novo rock como pilar sonoro. Bem tocado, ótimas ideias, a banda já abriu alguns shows pro Dandy Warhols e tem um disco que na média é mais bom que mais ou menos, o que já é uma esperança.

 

E agora rufem os tambores para os dois melhores discos de rock de 2016 com as duas melhores bandas de rock que ouvi esse ano:

Oh Boland – Split Milk

Pra voltar a ter esperança que jovens possam fazer discos incríveis e o trio irlandês Oh Boland pegou a receita mais velha do mundo: junte boas composições, grave com urgência mas não com velocidade, faça um disco que voce possa ouvir sem vergonha daqui a uns 20 anos. Meio Punk, meio garagem, produção meio tosca, propositalmente desleixada, tudo mixado e masterizado com boa sujeira e canções tão boas que não vou nem escrever mais, abaixo o link dos rapazes no bandcamp, compre o disco digital ou físico e ajude a uma grande banda a não parar.

https://volarrecords.bandcamp.com/album/oh-boland-spilt-milk-lp-limited-clear-vinyl

 

Personal And The Pizzas – Personal And The Pizzas

Outra gratíssima surpresa, do 0 ao infinito, banda de Sao Francisco faz a melhor mistura de punk 77 com punk 80’s branco e new wave de guitarras do inicio dos 80s. Só que melhor, feito hoje em dia. Letras idiotas excelentes como há muito não se ouve nos dias de hoje, onde todo o jovem quer trazer sua mensagem capsuladinha dentro do seu Twitter, tem um pezinho no retro, mas é tão fresco e jovem que to completamente apaixonado! Vale o mesmo para o Oh Boland, tá lá no bandcamp, pague alguma coisa pra eles! Eles merecem nosso dinheiro!

https://slovenly.bandcamp.com/album/personal-and-the-pizzas-personal-and-the-pizzas-lp


LollapaMIM – Um LINE UP Pra Chamar de meu! Ou o Festival que Nunca Vai Rolar por Aqui.

lolla-abre

E cada ano que sai o line up oficial do Lollapalooza, todo ano eu penso “Que merda de Line Up” e esse ano a organização do festival não nos decepcionou e botou uma bela escalação pra tirar sarro até 2018…

Pelo menos não teve Radiohead…

Se juntar todas as edições do Lolla por aqui e todos as atrações que vieram, dá pra contar nos dedos da mão esquerda o que prestou (Jack White, Savages, Robert Plant e pra lembrar de mais um agora…

Visando nada mais do que fazer um favor ao João Paulo do futuro, listo abaixo o que seria o line up dos meus sonhos de gente que tá viva, tocando por ai fora e que custaria mais barato que o Metallica e Strokes juntos.

Sem ordem de artista principal ou palco:

 

PJ HARVEY – Talvez a artista que mais tem a dizer nesse momento.

 

LEONARD COHEN – Que tenhamos a chance de ver um dos últimos do moicanos por aqui antes que ele se vá.

 

THE STONE ROSES – Sonhar faz bem… a ultima grande banda britânica da história. E tem público? Bom, eles tocaram 5 noites no Ethea Stadium em Manchester… algum deve ter…

SLEATER KINNEY – voltaram tão bem… e nunca estiveram por aqui…

BRIAN WILSON PLAYS PET SOUNDS – Se a felicidade tem nome, esse nome é Pet Sounds e Brian está por ai para nos mostrar.

MADNESS – A volta de uma das melhores bandas do ska inglês que migrou lindamente para o pop sem perder a potencia.

 

DEATH GRIPS – Pra não esquecer que tem gente mais ou menos jovem fazendo coisas incríveis.

SAVAGES – o que escrevi pro Death Grips, vale para essas minas iradas.

DANDY WARHOLS – seria a realização de outro sonho…

UNDERWORLD – Agora como dupla, lançando disco novo bom e tocando hinos da geração clubber dos anos 90.

THE WEDDING PRESENT – velha guarda guitar band, tocam por qualquer 500 reais…

KVELERTAK – Outra nova só pra dar uma colher de chá… melhor banda de metal em atividade.

THE FALL – tá mais que na hora de vermos eles por aqui.

REPLACEMENTS – Tá quicando por ai, só mostrar o dinheiro que eles vem!

SUN RA ARCHESTRA – Vi eles há uns 3 anos, tão incrível que podiam voltar né?

BABYMETAL – Inclassificável crossover de Jap Pop, Pokemon, minas japas e metal.

WIRE – Tá por ai, lançando disco bom atrás de disco bom… ia ser uma boa eles por aqui não?

KAMASI WASHINGTON – É jazz, é nova cara e manda muito bem!

O.M.D. – minha banda de tecnopop favorita em atividade.

USTALOST – minha segunda banda de metal favorita hoje.

 

E representando a nação:

METRO – Show animado, já devidamente resenhado por aqui.

DEFALLA – Lançaram um disco excelente, isso significa…

ELZA SOARES – Monstra, pra ser reverenciada.

BIXIGA70 – Melhor show brazuca em atividade.

META META – Segundo melhor show brazuca em atividade.

DVCO – É tudo aquilo que o Nine Inch Nails não é mais, só que mais pra cima (ah, e é banda de chapa)

THE JP’S – Eu não ia montar um line up e não incluir meu trampo né? Aproveito o fim do texto pra dar aquela divulgada no meu trampo..


PJ ainda bate um bolão.

Acabei de voltar de Londres (férias, retiro espiritual off-line total, essas coisas) e por lá, pelo menos nos lugares que interessam, Pj Harvey ainda ostenta cacife de Diva/Super-Estrela do mundo ou submundo dos bons sons (esse lugar ainda existe, deve caber num quintal mas existe).

Seu mais recente trabalho, The Hope Six Demolition Project é um ambicioso projeto Musical/Social em que ela escreveu canções de protesto, rodou alguns lugares interessantes/pobres ao lado de um fotografo de guerra e rodou clipes por lugares bem mais zoados que a baixada do Glicério. Seu mais recente vídeo foi filmado no Afeganistão, o primeiro foi no Kosovo e ela gravou ainda com um grupo gospel da periferia de Washington D.C.

The Hope… vem no mesmo embalo de Let England Shake, o que deixa os ouvidos acostumados a mudanças repentinas de rotas musicais de PJ mais aliviados e reconfortados.

Instrumentação rica, arranjos abertos e sofisticados, ecos nos vocais, metais?? Tudo isso vem nesse novo pacote criado e concebido por PJ quase como um “documentário musical” da miséria, da pobreza e da desigualdade imposta por nações ricas contra nações menos desenvolvidas.

O disco em si não é ruim, até por que a pior coisa que ela fez ou fizer é ou ainda será melhor do que a melhor coisa que qualquer outro artista contemporâneo possa produzir. Padrão de qualidade PJ Harvey mantido.

Ainda tem algumas guitarras por ai (graças a Deus), ouve-se os ecos de sua infalível Fender Jaguar, mais calma mas ainda roncando ao fundo. Seu vocal continua matador, canta melhor a cada disco e continua sendo a melhor compositora dessa geração, me aponte uma música nova melhor que The Community Of Hope ou Chain Of Keys (isso só pra citar duas).

O que poderia ser um projeto maleta, virou um senhor disco de “Protesto” dos mesmos moldes que seu Let England Shake o foi há 5 anos.

Vibrante, não convencional e repleto de tempero britânico, PJ Harvey se firma definitivamente como um ponto de exclamação musical praticamente imune a erros, não dá pra apontar um trabalho dela que não seja no mínimo bom.

Ela pode já não estar mais no auge de Stories From the City (2000) ou Is This Desire? (1998), mas tá longe ainda de uma “decadência” ou até mesmo de uma “zona de conforto”. PJ prefere continuar cagando pros modismos e compartilhar lindas músicas e lindos discos como esse novo álbum.

Bom pra nós que gente como PJ ainda esteja fazendo discos assim.